Por que e para que esperar? -Parte III

(O BLOG desse tema, foi dividido em algumas partes. Esta é a terceira parte do mesmo, para ler a primeira clique aqui; para ler a segunda clique aqui. Creio que é uma leitura tanto para mulheres quanto para homens. Espero que lhe ajude e lhe traga clareza nessa área, a fim de que possa provar do melhor que o Senhor tem pra sua vida… Abraços!)

Já mencionei anteriormente como a minha vida sentimental era assunto nas rodas de conversas e, quando eu tomava conhecimento, como isso me machucava. Saber que as pessoas “pensavam” que sabiam mais sobre mim do que eu mesma e das coisas que o Senhor estava tratando e trabalhando em mim era difícil.

Desde que comecei a ter luz sobre o propósito de Deus para minha vida, fiquei mais criteriosa. Sabia a importância de cumprir aquilo para o que fui criada! Não queria e não podia deixar que nada e ninguém atrapalhasse isso, assim, dependi do Senhor para cada passo. A única vez que segui as pessoas e cedi à pressão dos meus sentimentos, me machuquei muito, atrasei quatro anos da minha vida e daquilo que me estava proposto.

Contudo, glória a Deus, vi onde havia parado e voltei para aquele lugar de obediência e paz. Na maioria das vezes, não é fácil. Exige foco e perseverança, principalmente para enfrentar o teste do tempo e fazer você acreditar que ainda tem jeito, que nada foi frustrado, mas, que vai requerer de você uma força maior para se levantar. Um fim de relacionamento que envolve anos e intimidade, deixa muitas marcas, muitas vezes, profundas e extremamente dolorosas. Às vezes você pensa que é quase impossível voltar a ser “gente normal e completa”. Afinal, alguns pedaços de si foram arrancados e machucados.

Deixa eu te falar uma coisa muito certa: “Quando você envolve Deus no assunto, aquela área nunca vai ficar do mesmo jeito, aquela situação não será o estado final da sua vida!” E, glória a Deus, não fica do mesmo jeito mesmo. Houveram dias, durante esse processo de restauração, que era muito difícil abrir a boca e declarar a Palavra ou orar em línguas. Eu falava um minuto em línguas e uma hora eu “navegava” em meus pensamentos de derrota! Isso me condenava tanto.

Achava que eu era a pessoa mais sem fé que havia no mundo. Até que um dia, o Senhor ministrou ao meu coração que a minha fé não era medida pela altura da minha voz ou ousadia com que eu declarava ou orava, mas sim, pelo fato de NÃO DESISTIR, não abrir mão do que Ele havia me falado!! Que alívio e refrigério aquilo foi para mim!

Quando você erra o alvo, o processo de volta geralmente não é agradável, e é aí que muitos se perdem e desistem de permanecer. Acabam abrindo mão do melhor de Deus pelas consequências a serem enfrentadas e desafios a serem superados. Nesse processo, uma das coisas que se levantam com muita força é a falta de amor próprio e a insegurança sobre ter esperança de um futuro bom. Em outras palavras, é “ver que tem luz no fim do túnel”, e, muitas vezes, pensando assim, abrimos mão de coisas que estavam dentro do nosso espírito, mas, que por causa de um erro, achamos aquilo impossível de acontecer ou longe demais para alcançarmos!

Posso te garantir, mesmo com todas essas coisas que se levantam, VALE A PENA perseverar! Mas cuidado!! A dor de uma espera, ou a dor de um relacionamento mal sucedido, deve te deixar mais forte e experiente, e não insensível, amargurada e com medo! Por isso é tão importante se envolver com o Senhor.

Algumas pessoas, quando saem de um relacionamento que não deu certo, se apressam a entrar em outro, sem nem ter tempo de uma avaliação e reparação dos danos causados. Então, elas entram em um novo relacionamento, cheio de peças quebradas, com uma alma extremamente carente de tudo o que não foi realizado no relacionamento anterior. É como uma determinada frase que ouvi certa vez que dizia: “Entrar em um relacionamento, quando você está com um alto nível de carência, é como ir em um supermercado com fome: qualquer coisa serve!” O que era absurdo, se torna aceitável!

O tempo pode te fortalecer a perseverar, se você estiver com os olhos no Senhor e com o seu coração firmado dentro das convicções que Ele tem colocado. Contudo, o tempo também pode ser uma arma de enfraquecimento, se você fizer o oposto disso e atentar para as coisas “de fora”.

O tempo revelará em que tipo de convicções você está firmado. Ele revelará as suas estruturas e, também, deficiências; áreas que estão fortes, mas também áreas que estão fracas. Ele pode ser um bom sinalizador sobre o que você precisa reparar em sua vida para não ter uma base perecível.

A vontade de querer acertar, não significa que você irá, pois o que te capacita para isso é ter perseverança suficiente para ficar firme nas pressões. Isso não acontece pelo simples fato de querer acertar, mas sim, de se posicionar nas convicções e critérios que o Senhor depositou no seu coração.

Quando nós olhamos à nossa vida pelos nossos próprios olhos, achamos que já estamos prontos, ou que sabemos, pela nossa própria capacidade de avaliação, qual é a pessoa certa para nos envolvermos.

Gosto muito de uma passagem na qual Davi fala, “Senhor, vê se há em mim algum caminho mal e me guia pelo caminho eterno” (Sal 139.24). Em outras palavras, Davi disse: “Senhor, eu já fiz a minha avaliação de mim mesmo, mas VEJA VOCÊ se tem algo que não está certo, porque pode ser que o conhecimento que eu tenho AGORA, não seja suficiente para ver aquilo que está além do meu conhecimento ou do meu, aquilo que está no meu futuro, aquilo que está dentro do propósito que o Senhor tem para minha vida!”

Muitas vezes, segundo A MINHA própria avaliação, estava tudo bem, porém, quando eu permitia que Ele me desse o Seu parecer, na maioria das vezes, aquilo contrariava o que eu queria (risos).

Como é bom confiar em Deus (mesmo doendo, ou não entendendo) e saber que, independente de como as coisas corram, quando eu confio nEle, e sigo as Suas instruções, Ele sempre me guiará pelo bom caminho da Sua vontade.

Por: Sâmia Rocha

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *